29 de jun. de 2020

Feliz Aniversário Afonso Schmidt!♡

Aqui registramos os 130 anos de Afonso Schmidt in memorian.
A história de uma Cubatão perpetuada por esse grande escritor  nascido em Cubatão, ainda Distrito de Santos •SP.
Feliz Aniversário poeta!♡
...
Equipe Biblioteca e Arquivo Histórico
...




28 de jun. de 2020

Semana Afonso Schmidt - Vida e Obra de Afonso Schmidt, por Celma de Souza Pinto

Olá pessoal!

Ter a historiadora Celma de Souza Pinto como colaboradora na equipe da Biblioteca e Arquivo Histórico de Cubatão - SECULT  é um luxo! Funcionária pública de Cubatão, retorna entre nós e espero que assim permaneça contribuindo com seus exímios estudos. Autora de  vários livros que retratam a história da cidade, dentre eles o da Cia Anilinas, nos presenteia com seu trabalho de tanto saber!
O Arquivo Histórico tem muito orgulho de a receber e tem tudo a ver com seu perfil!
Faço até um apelo, FIQUE! 
Sua presença nesta publicação contribui e muito para nos apropriarmos um pouco mais do nosso escritor - poeta - jornalista  cubatense Afonso Schmidt, que amanhã, 29 de Junho aniversaria! Aprecie essa bela leitura!
SEMANA AFONSO SCHMIDT 2020 em ensaios e  registros virtuais, e se tudo caminhar bem, para melhor acontecer em Junho de 2021! 
Até lá! 
Não percamos a Fé!

Dani Da Guarda
Chefe de Divisão de Bibliotecas e Arquivo Histórico



Afonso Schmidt 

"Não sou um intelectual que serve ao povo, mas um homem do povo mesmo, que tem a faculdade de se exprimir em arte”.

            Em 29 de junho de 1890 nascia em Cubatão o escritor Afonso Schmidt. Filho de João Afonso Schmidt, natural de Cananéia, e de Odila Brunckenn Schmidt, de Cubatão, eram descendentes de alemães.
            A infância de Afonso Schmidt foi marcada pelas dificuldades financeiras. A família de bananicultores morou em locais diferentes de Cubatão, como Itutinga e próximo à ponte do Rio Cubatão, permitindo ao menino a exploração de tudo que a região podia oferecer naquele momento: natureza, banhos de rios, caçadas e muita observação. Em romances autobiográficos, como Menino Felipe (1950) e Bom Tempo (1956), Afonso Schmidt retrata aspectos físicos, econômicos, geográficos e o modo de vida de Cubatão do final do século XIX e início do século XX, especialmente quando o autor narra a sua infância.
O próprio Schmidt assim se refere à sua obra: 

O Menino Felipe é um cubatense do alvorecer do século, quando a nossa terra não passava de uma estrada. Ele atravessou a nado o rio Cubatão (lá em cima) e brincou com todos os moleques do seu tempo, dos quais guarda as melhores saudades. Ele estudou nas escolinhas do bairro e mais tarde cultivou a sua arte apesar de todas as dificuldades e, principalmente, sonhou. Foi soldado do “petróleo é nosso”. Viajou algumas vezes sem tostão pelo mundo inteiro levando pendurado ao pescoço, como bentinho, o nome de Cubatão... O Menino Felipe, talvez seja corujice de minha parte – é o primeiro romance escrito no Município, do Casqueiro ao Alto da Serra. Apresenta sua paisagem, os seus costumes, algumas de suas figuras. Menos, está claro, aquelas da fantasia que enxertei para alcançar o efeito literário mas que, na realidade, só serviram para afeiar a obra. O povo daí é tão bem que eu, para armar o contraste, tive de inventar os maus, os antipáticos. (Schmidt, 1957).

Afonso Schmidt foi escritor, poeta e jornalista. Desde menino manifestou vocação literária, publicando seu primeiro livro de poesia, Lírios Roxos, aos quinze anos. Seu estilo literário figura nas correntes chamadas Parnasianismo e Simbolismo. No início da sua carreira como jornalista, trabalhou em jornais de Santos e de São Paulo. A partir de 1920, começou a participar de um ambiente jornalístico mais prestigiado, trabalhando em grandes jornais paulistas e alcançando grande notoriedade popular. Foi reconhecido como um dos grandes cronistas da capital paulista pelo livro São Paulo dos Meus Amores (1954).

Sua obra é extensa em diversidade de títulos, número e volume das tiragens, com mais de 40 trabalhos e cerca de 500 mil exemplares vendidos somente pelo Clube do Livro. Teve uma breve incursão no teatro com as peças. As levianas e Carne para Canhão. Schmidt recebeu inúmeros prêmios. O mais importante, o de “Intelectual do Ano”, em 1963, foi o Prêmio Juca Pato, promovido pela União Brasileira de Escritores e pelo jornal Folha de S. Paulo. Foi membro honorário do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e ocupou a cadeira número 10 da Academia Paulista de Letras. Morreu em São Paulo, no dia 3 de abril de 1964, aos 73 anos.




Aclamação de Afonso Schmidt por amigos e editores pelo prêmio da Revista “O Cruzeiro”, organizadora do concurso literário de 1948 no qual foi vencedor com a obra Menino Felipe. Fonte: Biblioteca Nacional.



Pintura do artista plástico Jean Luciano. Fonte: Novo Milênio 
Jean Luciano, o pintor de Afonso Schmidt
  Mesmo quem não leu ainda a obra de Schmidt, “Menino Felipe”, que aborda sua infância em Cubatão, tem uma imagem bem nítida de como seria o menino Felipe. Isso é possível porque em algum momento todos, de alguma forma, já viram a pintura do menininho loiro, descalço, trajando camisa branca e bermuda azul. Ao seu lado, seu cachorrinho andando em meio aos bananais rumo a um Cubatão futurista. 
              Essa imagem tão familiar aos cubatenses é obra do artista Jean Ange Luciano. Esse francês nascido em Hyères, no Sul da França, em 1936, é um antigo conhecido de Cubatão e não só pelas pinturas encomendadas pela prefeitura. Chegou a morar na cidade na década de 1970, depois residiu em Santos onde realizou inúmeras exposições.  Desde os anos de 1980 retornou ao seu país de origem, mas nunca deixou de voltar à cidade onde mantem esse vínculo sentimental. 




Reprodução incluída no livrete de 1974 da P.M.C. Fonte: site Novo Milênio

  Além se fazer referência à infância de Schmidt, nessa pintura o artista também faz alusão a  outra obra emblemática sobre Cubatão que é  Zanzalá e o Reino do Céu (1936), obra de ficção futurista publicada em capítulos no jornal O Estado de São Paulo e popularizada em 1949 pelo Clube do Livro. Nesse livro, apresenta Cubatão no ano de 2029 como uma cidade ideal, voltada para as artes e a música. Um mundo utópico onde haveria harmonia e simplicidade entre as pessoas, apesar do avanço tecnológico, tendo a cultura como a base da sociedade.  O artista também fez capa e ilustração de livros com referência a essas obras. 

Ao Jean Luciano só temos que agradecer por dar vida ao menino Felipe, eternizado não só na literatura de Afonso Schmidt, mas também na imagem que guardamos do personagem tão caro para nós.

Além desses trabalhos, esse pintor fez réplicas das pinturas históricas do pintor santista Benedito Calixto ((1853 – 1927), e que ornamentam o Paço Municipal, além dos desenhos em Bico de Pena dos prefeitos da cidade.




Capa da publicação da  palestra proferida por Jorge Ferreira da Silva na Câmara Municipal cubatense, em 29 de junho de 1972, e na qual Jean Luciano apesenta em desenho da utopia futurista de Afonso Schmidt na obra Zanzalá e o  Fonte:  http://www.pimentel.jor.br/cubatao/ch036b.htm
            Em tempos de quarentena a Biblioteca e Arquivo Histórico João Rangel Simões permanece fechada para consulta pública, não estando disponível para empréstimo os livros de Schmidt. Porém, alguns livros do autor podem ser encontrados em formato digital com acesso livre na internet, a saber:
A sombra de Júlio Frank (romance):
Colônia Cecília:

Lista das obras de Afonso Schmidt
            Poesia 
·         Lírios Roxos (1907)
·         Miniaturas
·         Janelas Abertas (1911)
·         Mocidade (1921)
·         Garoa (1932)
·         Lusitania
·         Poesias (1934)
·         Poesia (1945)
Prosa 
·         Brutalidade
·         Os impunes
·         O dragão e as virgens (fantasia)
·         Pirapora
·         As levianas
·         Passarinho verde
·         Ao relento (fantasia)
·         Kellani
·         A revolução brasileira (crônicas)
·         A nova conflagração
·         O evangelho dos livros
·         Os negros
·         Carne para canhão
·         Curiango
·         A sombra de Júlio Frank (romance)
·         Colônia Cecília (romance)
·         O Retrato de Valentina (1947) (romance)
·         A Marcha (romance)
·         O Menino Felipe (romance)
·         O Tesouro de Cananeia (contos)
·         A Vida de Paulo Eiró (crônicas)
·         São Paulo de meus Amores (crônicas)
·         Zanzalá (1938) (novela)
·         A Primeira Viagem (autobiografia)

Referências Bibliográficas
Biblioteca Nacional. Disponível em http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=003581&pesq=cadeiras&pasta=ano%20193. Acesso em 02 jun. 2020. 
Instituto Histórico e Geográfico de Santos. Disponível em: http://www.ihgs.com.br/cadeiras/patronos/affonsoschmidt.html. Acesso em 01 jun. 2020. 
PINTO, Celma de Souza. Cubatão, história de uma cidade industrial. São Paulo: Ed. Do autor, 2005.
Site Novo Milênio. Disponível em http://www.pimentel.jor.br/cubatao/ch036e.htm. Acesso em 01 jun. 2020. 
Wikipédia

                                                                          Celma de Souza Pinto
                                                                       Historiadora- Matrícula 5126/3
                                                                               Arquivo Histórico